RoboIME: esporte de robôs

RoboIME: esporte de robôs

30 de maio de 2019 0 Por Maria Eduarda Volta

A RoboIME é o projeto feito pelos alunos do  Instituto Militar de Engenharia, no qual são produzidos robôs para disputarem campeonatos. Dentro do projeto, existem 4 modalidades:  a de futebol de robôs small size, futebol de robôs very small size, sumô lego e batalha de robôs.

O futebol de robôs small size foi o primeiro projeto a ser desenvolvido pela equipe RoboIME, que desde 2010, participa de 2 competições anualmente, e foi campeã da Latin American Robotics Competition (LARC), em 2017.

Representante geral da modalidade, Carla Cosenza, de 22 anos, contou que a produção dos robôs que competem é feita 100% pelo grupo de alunos que participam do projeto, e que como não possuem tanto apoio financeiro, não há “jogadores reservas”. Com isso, qualquer problema que possa acontecer durante o campeonato, deve ser ajustado na mesma hora por algum aluno.

Essa categoria é composta por 6 robôs, que jogam de forma autônoma, ou seja, sem controle remoto. “Cada robô tem um desenho diferente e isso é capturado pelas 4 câmeras que ficam em cima do campo mandando para os computadores que processam isso, e determinam para qual posição o robô tem que ir”, explicou a estudante de engenharia da computação.

De acordo com Efísio Rolim, representante da categoria very small size (VSS), criada em 2018, as duas modalidades funcionam quase da mesma forma, porém, na VSS, o robô tem dimensões menores e não possui o recurso de chute. Assim como os jogadores, o campo também é reduzido, a quantidade de jogadores e câmeras que captam o desenho dos robôs.

Além das equipes de futebol, a RoboIME também tem a modalidade do sumô Lego, que é a mais nova dentro do projeto, e por isso, nunca participou de uma competição. Como diz o nome, é uma luta de robôs igual o sumô, na qual o objetivo é derrubar o oponente, porém, o robô é inteiramente feito de Lego. “O robô tem um peso e tamanho máximos. É um desafio adaptar as peças lego à essas limitações”, comentou Ana Luiza Buse, representante e gerente de inteligência da categoria.

A batalha de robôs é mais uma modalidade que a RoboIME possui e a única que é controlada por controle remoto. O SanhAÇO é o robô da equipe, e tem o nome inspirado na gíria militar que significa dificuldade nas atividades. Pesa 5,44kg e com isso participa da categoria Hobbyweight class que é a de robôs até 12kg. A arma é feita para levantar os robôs oponentes, com o intuito de que com a queda ele irá se desabilitar. A característica especial do SanhAÇO é que mesmo que ele seja virado de cabeça para baixo, o controlador consegue fazer com que a locomoção não seja prejudicada, já que as suas rodas funcionam dos dois lados.

Porém, nesse momento a equipe está fazendo uma remodelagem do robô, modificando a mecânica, eletrônica, e aprimorando a arma. “Estamos fazendo isso porque percebemos nas competições que a maioria dos robôs são controlados pelo piloto”, explica Raphael Zimmermann, representante da RoboIME na categoria batalha de robôs. De acordo com ele, a equipe possui a capacidade de colocar sensores para que o robô faça algumas coisas por si só, como a habilidade de virar de cabeça pra baixo e continuar lutando. “Vai ser bem melhor e dar menos preocupação”, complementou Raphael.