Slow food: Um novo conceito de alimentação

Slow food: Um novo conceito de alimentação

16 de maio de 2019 0 Por Bruna Lima

O agitado Centro do Rio de Janeiro abriga um cantinho que contraria as características do bairro. O “Fika – Cafés Especiais” tem como proposta o Slow Food, um movimento que começou com Carlo Petrini, em 1986. O principal objetivo é de se opor à tendência de padronização de alimentos.

O jornalista italiano queria estimular a apreciação da comida e valorizar o produto e sua produção, isto é: o produtor e o meio ambiente. “Tudo é feito aqui e preparado aqui. É um pedido por vez. É slow mesmo”. diz atendente do local, Luísa Serafim, de 24 anos. A proposta desses restaurantes é fazer com que as pessoas façam uma pausa, para apreciar uma comida feita com cuidado e consciência.  

No movimento há três princípios: bom, limpo e justo. O primeiro é referente aos alimentos saborosos, saudáveis e de boa qualidade, relacionado à uma dieta sazonal fresca e que satisfaça os sentidos e que faça parte da cultura local. O segundo é sobre a produção e consumo dos alimentos que não prejudicam o meio ambiente, o bem-estar animal e a saúde das pessoas. O último é refere à um preço acessível para os consumidores e condições justas de pagamento para pequenos produtores.

Além disso, o movimento tem se tornado influente em colocar alimentos em busca por uma alimentação sem fast food e rica em alimentos orgânicos. Sendo um dos principais ideais, a busca contribuir para um sistema alimentar mais sustentável.

Filosofia de ‘pausa para um café’ mantendo a proposta de desacelerar um pouco a rotina e esvaziar a mente”. Este é um dos dizeres na parede do local, sinalizando o movimento adotado e sua ideia central. Além da comida, o ambiente desses espaços é diferenciado. A cliente Alda, de 34 anos, frequenta restaurantes que adotam o conceito Slow Food e diz que sente um aconchego maior nesses restaurantes: “Você é atendido com mais atenção em relação aos outros locais”.

Matéria de: Bruna Lima, Larissa de Oliveira, Matheus Pardellas e Patrick Garrido