NBA: As expectativas para a Conferência Leste

NBA: As expectativas para a Conferência Leste

14 de outubro de 2018 0 Por Davi Barbosa
  • Reportagem de Lucas Pires

Na próxima terça-feira, a liga norte americana de basquete, NBA, retorna para mais uma temporada. Considerada a mais forte do mundo, é dividida em duas conferências: Leste e Oeste. Em cada uma, 15 times disputam, em 82 jogos, oito vagas nos Playoffs, a fase de mata-mata. O vencedor dessa fase final avança para a famosa e desejada NBA Finals, onde representa sua conferência e enfrenta o campeão da oposta.

O atual campeão da conferência é o Cleveland Cavaliers, porém, com a saída de LeBron James, o time agora é longe de ser favorito/Foto: Lucas Pires

 

O foco de hoje é a Leste. Após quatro anos sendo reinada pelo melhor jogador do mundo, LeBron James, os times agora voltam a almejar uma vaga nas finais gerais, visto que o jogador migrou para o Los Angeles Lakers. Comparada a outra conferência, a Leste fica para trás no quesito qualidade, mas leva vantagem em um potencial futuro. Muitos times estão em reformulação com bons jogadores jovens e tendem a voltar ao páreo em alguns anos.

A liga é uma crescente no Brasil e, graças ao sucesso, torcedores criam páginas para produzirem conteúdos exclusivos sobre determinados times e liga. O Portal de Jornalismo entrevistou especialistas de todos os times da conferência para falar sobre as expectativas da temporada que começa no próximo dia 16.

Philadelphia 76ers (@SixersBrasil): Felipe Floriano, 21 anos

“Após anos de sofrimento, o Philadelphia 76ers obteve sucesso na última temporada. A equipe venceu 52 jogos e perdeu 30, conquistando uma vaga nos Playoffs, no qual não chegou longe. Nessa temporada, o Sixers espera ir mais longe, ou seja, ir para as Finais. Mesmo com as saídas de bons jogadores, a equipe contratou peças que serão importantes. O diferencial será Markelle Fultz, o número um do Draft de 2017. Após um ano conturbado, ele parece ter reconquistado sua confiança e tem caminho aberto para bilhar.”

O Draft é o evento que ocorre antes do início de cada temporada e, nele, jovens talentos universitários são escolhidos pelos diversos times da NBA para atuarem no basquete profissional.

Boston Celtics (@Celtao17): Lucas França, 25 anos

“Desde que LeBron se mudou para Hollywood, o céu se abriu no Leste, os anos de escuridão se foram e as expectativas para o Boston Celtics são as melhores possíveis. O time vem de uma de suas melhores temporadas. Sem contar com os seus dois melhores jogadores na maior parte do tempo, o jovem elenco do time alcançou as finais da conferência e levou a série contra o Cavs a sete jogos, o que foi muito inesperado. Os jovens mostraram que aguentam a pressão e contarão com a ajuda de Kyrie Irving e Gordon Hayward dessa vez, nada mal. Sonhar com as finais é uma possibilidade real e todos os atletas estão focados no objetivo. Essa será a temporada do Boston Celtics, e quem viver, verá!”

Brooklyn Nets (@NetsBrasil): Mateus Rodrigues , 26 anos

“A expectativa para a próxima temporada do Brooklyn Nets é a melhor dos últimos anos. Desde que Sean Marks assumiu, o time montou uma base jovem para se apoiar para o futuro – D’Angelo Russell, Caris LeVert e Jarrett Allen – e trouxe jogadores consistentes que completam os jovens. Inicialmente não é um time para playoffs, a expectativa é que os jovens tenham um salto de produção. Caso isso venha a acontecer, podemos talvez sonhar.”

New York Knicks (@NYKnicksBR): Bernardo Bejjani, 19 anos

“O New York Knicks vem para essa temporada com um time jovem e atlético. A expectativa é de ocorrer uma melhora no desenvolvimento dos jovens da equipe ao longo da temporada. Infelizmente a franquia terá o desfalque da principal estrela Kristaps Porzingis por um tempo ainda, por conta de lesão. Sem ele, as chances de Playoffs ficam menores, mas não impossíveis, já que outros nomes podem pegar o protagonismo. Portanto, acredito que o foco principal da franquia nessa temporada será ajustar o time, desenvolver o entrosamento entre os garotos e começar a prepara-los para um futuro que pode ser bastante vitorioso.”

Toronto Raptors (@RaptorsBrazil): Raphael Augusto Mattos, 28 anos

“Apesar da saída de um dos maiores jogadores da história da franquia, DeMar DeRozan, o Toronto Raptors, na minha opinião, ficou mais forte ofensiva e defensivamente. Com a adição de Kawhi Leonard, um dos melhores jogadores da liga e também de Danny Green, um dos melhores defensores na posição 2 na liga, temos a chance de irmos mais longe do que uma semifinal de conferência. Adicionamos também um novo técnico ao nosso elenco, Nick Nurse, que já fazia parte da comissão técnica da franquia, então não acho que teremos problema com isso. A expectativa que tenho para essa temporada é pelo menos uma final de conferência contra Boston. Projeto também Kawhi Leonard na briga pelo MVP ao final da temporada.”

MVP (Most Valuable Player) ou Jogador Mais Valioso, é o prêmio dado ao melhor jogador da temporada. A premiação ocorre ao final de cada temporada regular e levam em consideração o desempenho individual dos atletas. Há ocasiões em que a campanha da franquia serve como parâmetro para ver o quão importante foi o jogador para sua equipe.

 

Chicago Bulls (@bullsbr): Vinicius Costa, 39 anos

“O Chicago Bulls caminha para o segundo ano de reconstrução, o famoso “rebuilding”. Nesta temporada, o time entra mais uma vez como uma incógnita. Por um lado, as peças recebidas na troca de Jimmy Butler, Kris Dunn, Zach LaVine e Lauri Markkanen, mostram-se capazes de formar o núcleo de um time futuro. Além dos três, o Bulls adicionou dois ótimos calouros e repatriou o “Chicago kid”, Jabari Parker. Há talento o suficiente para acreditar no futuro. Por outro lado, é recorrente na NBA que a inconstância natural de times muito jovens – temos a segunda menor média de idade da liga – não permita saltos muito arrojados. Isso, somado ao fato do elenco ter deficiência na defesa, pesa para projeções da temporada. É quase unanime entre as projeções da mídia que o Bulls fará uma das cinco piores campanhas da temporada. Teremos 82 jogos para desvendar tal incógnita.”

Cleveland Cavaliers (@CavsBrasil): Marcelo Urbano, 26 anos

“Mesmo sendo o atual tetra campeão da Conferência Leste, é a primeira temporada que o time chega sem responsabilidade. A saída do LeBron tira essa pressão do time, o que acho que vai ajudar jogadores como Hood, Clarkson, Osman e até Sexton, o novato. Chego para a temporada sem muita expectativa, obviamente repetir um título do Leste é tarefa praticamente impossível, mas acho que esse time pode ser divertido de assistir, será um estilo mais rápido e solto, e como dito anteriormente, sem responsabilidade. Acho que podemos beliscar uma vaga nos Playoffs, mas não me surpreenderia se o time ficasse de fora.”

Detroit Pistons (@PistonsBrasil_):  Mateus Leite, 20 anos

“O Detroit Pistons não vai aos playoffs desde 2015-16. Stan Van Gundy era diretor geral e treinador ao mesmo tempo, isso o possibilitou de fazer algumas besteiras como: contrato alto para jogadores medianos e decisões erradas em draft, como deixar passar grandes jogadores. Para a próxima temporada, o proprietário do time, Tom Gores, resolveu fazer mudanças. Começou demitindo Stan para trazer Dwane Casey, melhor treinador da temporada passada. Além disso, também trouxe jogadores que podem ser importantes, como Pachulia, Robinson III e Calderon. Drummond, estrela do time, continua evoluindo nos lances livres e agora começou a treinar arremessos de três pontos. A dúvida fica para sabermos qual será o quinteto titular. Jackson, Griffin e Drummond estão confirmados, agora restam duas posições que gerarão uma disputa que só tende a melhorar o rendimento da equipe. O time tem potencial para brigar por vaga em playoffs, entre as últimas posições provavelmente. É até meio engraçado, mas se os jogadores não acreditarem em seus potenciais, além dos torcedores, quem irá acreditar?!”

Milwaukee Bucks (@Bucks_Brasil) – Matheus Oliveira, 20 anos e Luiz Henrique Santos, 29 anos

“Após uma temporada em que se esperava mais do time, a equipe sofreu para se classificar para os playoffs e, quando chegou lá, foi eliminado logo cedo. O Bucks vem para a temporada sem Jabari Parker, o qual há uns anos, era a esperança de um grande jogador para o futuro da franquia. Contudo, o time trouxe um novo treinador: Mike Budenholzer, para tentar dinamizar a equipe. Além dele, jogadores como Ilyasova e Lopez também foram contratados. Espera-se que a estrela grega, Antetokounmpo, seja o líder desse elenco e que, sem LeBron James na Conferência Leste, ele se consolide como melhor ala e, talvez, como melhor jogador da conferência, além de forte candidato para melhor jogador da liga (MVP). Quanto a Malcolm Brogdon, se espera que lidere a segunda unidade. Com tudo isso, a esperança que paira a torcida de Milwaukee é que, o time consiga ficar entre os quatro melhores da conferência durante a temporada regular, e que cheque a uma consequente semifinal nos Playoffs.”

Indiana Pacers (@Pacers_Brasil): Gustavo Pignataro, 15 anos

“Após uma temporada que surpreendeu a todos, quase eliminando o Cavaliers de LeBron James na primeira rodada dos Playoffs, o Pacers vem para essa temporada almejando coisas maiores. Com a aquisição de bons jogadores e prospectos como Myles Turner e Domantas Sabonis ao lado de sua estrela, Victor Oladipo, o time de Indiana espera lutar pelo mando de quadra, ou seja, quarta colocação ou superior durante a temporada regular. Será que, após três anos seguidos perdendo na primeira rodada, Indiana conseguirá dar o próximo passo?”

Miami Heat (@MiamiHeatBrasil): Gilbercley Sá, 35 anos

“O Miami Heat chega para a temporada 2018-2019 sem alterações significativas na sua formação, mantendo o time que foi sexto colocado no Leste na última temporada. Não foi ativo na offseason e seus movimentos se resumiram aos retornos de Dwyane Wade, Wayne Ellington e Udonis Haslem, além das apostas em jovens não-draftados ou oriundos da D-League. Terá ainda o “reforço” de Dion Waiters que estava lesionado. Para a temporada a expectativa será de que o time supere seus limites. Para isso o time se apega à evolução dos jovens, além de uma motivação a mais por ser a última temporada do maior jogador da história da franquia, Dwyane Wade.”

A offseason é o período em que a liga está de férias, sem jogos. Nesse tempo, os times buscam novos reforços e mudanças para evoluir o time visando melhor desempenho na temporada seguinte.

Charlotte Hornets (@HornetsBrazil): Matheus Martins, 21 anos

“Com novo técnico e novo diretor geral, James Borrego e Mitch Kupchak. O Hornets busca voltar para os playoffs na, provavelmente última temporada de Kemba Walker no time. O time conta com o reforço de Tony Parker, Bismack Byiombo e calouros para alcançar esse objetivo. Entre os principais calouros, temos Miles Bridge que vem fazendo grande pré-temporada e levando a torcida a loucura. O banco precisa atuar melhor, principalmente com Kemba descansando.  O encaixe da defesa, que já foi ponto forte da equipe e deixou a desejar ano passado, também é fundamental. A expectativa é que o time brigue pelas últimas vagas nos Playoffs na Conferência Leste.”

Washington Wizards (@WizardsMilGrau): Vicente Bacchin, 17 anos

“O Washington Wizards entra em 2018 com o peso de chegar à final de conferência após bater na trave nos últimos anos. Com a chegada do pivô Dwight Howard, o ala Jeff Green e o armador Austin Rivers, o time tende a melhorar e pode finalmente alcançar o tão desejado posto. Sob a liderança de John Wall e Bradley Beal, uma das melhores duplas de armadores da liga, o time da capital chega com tudo para a temporada!”

 

Orlando Magic (@brasil_orlando): Rafael Lamego, 18 anos

“Orlando Magic: O time que está em reconstrução desde 2012, após a troca do Dwight Howard, pode estar finalmente vendo um futuro próspero pela frente. O time tem jovens jogadores com grande potencial, como Aaron Gordon, Jonathan Isaac e Mo Bamba, mas precisam ser trabalhados. Para essa temporada ainda vamos ter um novo treinador, Steve Clifford. Ou seja, o Orlando Magic é um time que deve sofrer muito nessa temporada, mas que com algumas peças chaves, que podem ser adquiridas para temporadas seguintes, pode voltar a brigar por coisas grandes na NBA.”

Comentários gerais sobre a conferência:

Camisa 23: (@camisa_23) Vinicius Guimarães, 19 anos

“A temporada 2018/19 da NBA representará um período de transição para a Conferência Leste. De um lado, o Cavs muda totalmente de patamar sem LeBron James e o Raptors tenta, por meio de Kawhi Leonard, manter-se nas pontas por mais algum tempo. Do outro, Celtics e Sixers buscam consolidar uma dominação que durará por muitos anos. Será interessantíssimo acompanhar o início das possíveis dinastias lideradas por Embiid e Simmons, e a base absurdamente promissora de Boston.”

Hit The Glass (@HitTheGlass): Rubens Borges, 38 anos

“Ah, o Leste. Uma Conferência que já foi tão poderosa… como os fortes caíram. A debandada de talento para o outro lado do país deixou a Conferência Leste no mais fraco de sua história, talvez. Pode ser que seja até pior que o Leste do início dos anos 2000. Mesmo assim, pelo menos dois times merecem destaque: Boston Celtics e Toronto Raptors. Sem a ameaça de LeBron James as finais do Leste parecem garantidas. Claro que é esporte tudo pode acontecer – bate na madeira para evitar lesões – mas, convenhamos, os dois times estão acima do mar de ruindade que chega às praias do lado direito da tabela. Times como Milwaukee Bucks e Washington Wizards ainda estão um pouco atrás. O restante, ainda buscam uma identidade. Se não fosse algo absurdo, diria que essas franquias querem ajudar a NBA a transformar os Playoffs em uma competição de 16 times, independente da conferência.”