Postos do Centro têm procura acima da demanda por vacina contra febre amarela

Reportagem de Caio Garritano, João Ramalho e Melanie Martins

Poucas doses, muita gente. Postos de saúde do Centro não estão atendendo à demanda por vacinas contra a febre amarela, dois dias após a primeira morte confirmada no Estado do Rio pela doença.  Estão sendo distribuídas senhas para organizar o atendimento. No Centro Municipal de Saúde Marcolino Candau, na Cidade Nova, o período de vacinação é dividido em dois turnos:  um pela manhã, com início às 8 horas, e outro à tarde, a partir das 13 horas, totalizando 60 doses. Aos sábados, são ofertadas 50 doses, e o horário de funcionamento é de 8h às 12h.

“As senhas acabam muito rápido”, disse Taís Rodrigues, gerente da unidade localizada na Praça Onze. Ela afirmou que, devido ao número restrito de doses, é realizado um racionamento das vacinas nos centros municipais. Para controlar o atendimento, um método de triagem é utilizado: pessoas com viagens marcadas para locais com alto risco de contaminação têm prioridade.

Centro Municipal de Saúde Marcolino Candau/ Foto: João Ramalho

No Centro Especial de Vacinação Dr. Alvares Aguiar, na Rua Evaristo da Veiga, 300 senhas são distribuídas a partir das 8 h. Seguindo os mesmos critérios do outro posto, o restante da população começará a receber a vacina entre 7 a 10 dias. Cristiane Barcellos, de 29 anos, estava acompanhada de seus dois filhos. Ela procurava pela vacina por indicação médica. “ Um tem 11 anos e está tudo certinho, mas o outro tem só seis meses, fiquei preocupada e resolvi vir logo” , disse. Já Nieldo Ximenes, 64 anos, afirmou que foi motivado a ir ao centro de vacinação por morar em uma área de risco. “Eu moro em Itaboraí e lá já houve o registro de dois casos de febre amarela”, afirmou.

Centro Especial de Vacinação Dr. Alvares Aguiar / Foto: Caio Garritano

Com longas filas desde antes das 7 h, o Centro Municipal de saúde Oswaldo Cruz, na Rua Henrique Valadares, distribui 50 senhas para a vacina contra a febre amarela pela manhã. Como os postos e centros em geral costumam receber doses limitadas, elas acabam antes do final da tarde. Para retirar as senhas, é necessário apresentar documento com foto e CPF original.

Procura por senhas no Centro Municipal de Saúde Oswaldo Cruz / Foto: Melanie Martins

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de abril, novas unidades serão habilitadas para distribuir a vacina, totalizando 233, com um total de 1,5 milhão de doses. Para  a prevenção da doença, é importante o uso de repelentes e roupas protetoras, além da vacina, já que seu transmissor é o mosquito Aedes Aegypti. Já o tratamento deve ser supervisionado por um médico. O paciente deve permanecer em repouso com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado. Nas formas graves, o paciente deve ser atendido em uma Unidade de Terapia Intensiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *