Preservação de portas pantográficas no século XXI

Em uma rua do Centro do Rio, com restaurantes de diversos tipos e lojas modernas, ainda se vê um resquício de um passado do Rio de Janeiro. Mesmo em 2016, as portas pantográficas ainda estão presentes e são fabricadas tanto em ambiente residencial quanto comercial. Elas são feitas de alumínio,ferro,latão polido e aço indox. . Em um prédio comercial, na Rua Travessa do Ouvidor, número 9, a porta pantográfica, como é chamada a porta de antigos elevadores prevalece. Esse elevador além de estar presente nessa rua  também é visto no Centro Cultural Banco do Brasil, um museu localizado  no centro da cidade.

Porta Pantográfica do elevador do Centro Cultural Banco do Brasil. Foto: Luisa Lins
Porta Pantográfica do elevador do Centro Cultural Banco do Brasil. Foto: Luisa Lins

A origem da palavra pantográfica vem do grego “pantos”, e tem esse nome, pois faz referência a um aparelho utilizado para fazer transferência de figuras, conhecido como compasso. Ele possui uma grade retrátil e quatro barras articuladas, duas delas maiores e duas menores que se mantêm paralelas. É exatamente esse o formato e a dinâmica da porta.

 

Segundo Nayan Massena, de 21 anos, que trabalha com encomenda das portas de elevadores, o material é feito de alumínio e ferro, Nayan conta que o processo para a fabricação da porta é organizado em três partes: buscam a peça e montam uma planilha de acordo com o desejo do cliente e tudo é feito na mão, esse tipo de porta não é comprada, é fabricada em determinado prédio.

 

A ideia de um novo projeto para uma modernização da porta está em processo, porém, segundo Jorge da Silva, de 79 anos, um dos responsáveis pelo elevador da Travessa do Ouvidor.“A porta do elevador existe há quarenta e dois anos, ela é mais segura do que as portas de elevadores modernos pois se a pessoa tentar sair do elevador ele  para antes, em geral não vejo medo nas pessoas que costumam usá-lo diariamente. ”

 

Para Carlos da Silva, de 37 anos, funcionário do prédio comercial  na Travessa do Ouvidor, a mecânica da porta é totalmente segura, e quando dá algum problema o mecânico resolve rápido. “ Eu acho que ela é muito segura pois é aberta e ventilada. O dono já pensou em trocar, mas não há espaço o suficiente; ela causa medo em algumas pessoas e em outras não, por conta da aparência”. Carlos trabalha no local há dez anos e desde que ele entrou essa porta já existia.

Carlos da Silva, de 37 anos, mostra o funcionamento da porta pantográfica. Foto: Luisa Lins
Carlos da Silva, de 37 anos, mostra o funcionamento da porta pantográfica.
Foto: Luisa Lins

 

De acordo com Manuela Moura, de 19 anos, as portas de elevadores em geral causam medo, mas as portas pantográficas causam um pouco menos de medo. “eu tenho medo porque eu fico nervosa quando estou em lugares pequenos, eu não gosto de não ter uma saída. Depende do elevador, as vezes eu fico até mais tranquila andando em um elevador que a porta é pantográfica porque dá para ver o lado de fora. Mas, tenho medo de todos os tipos de elevadores.”

 

Diferentemente de Manuela, a estudante Rebeca Siqueira, de 17 anos, acha que os elevadores com portas pantográficas dão mais medo do que os mais modernos. – Desde pequena, eu sinto um medo imenso de elevador, na maioria das vezes subo de escada. Isso devido ao fato de quando menor ter ficado presa no elevador e o serviço de atendimento ter demorado a chegar. Eu tenho mais medo dos elevadores antigos pois dá a impressão de falta de manutenção. – conta Rebeca.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *