O céu é o limite para a nova assessoria

Se há alguns anos o papel do assessor de imprensa era fazer uma conexão entre as marcas, as pessoas e os veículos de mídias, hoje, com a internet, isso mudou completamente. Agora, não existe mais “assessor de imprensa”: o mais adequado é “assessor de comunicação”. Eles produzem conteúdo em diversas plataformas, seja por Snapchat,  Instagram e até mesmo investem em produções audiovisuais. Todas essas mudanças e novos desafios foram apresentados e debatidos no primeiro dia da III Semana de Jornalismo da ESPM Rio, com a presença dos jornalistas Sérgio Pugliese, sócio da Approach Comunicação,e Gilberto Scofield, diretor da Máquina Cohn & Wolfe.

 

Logo no início, os jornalistas destacaram como as redações estão em queda e a importância da inovação e do conhecimento. “O jornalista precisa ter na cabeça que precisa inovar. Time que está ganhando é time que se mexe, sim. Assim como as redações hoje estão em queda e os blogueiros em alta, amanhã esses mesmos blogueiros não estarão mais no topo. Então é preciso estar sempre aberto a essas mudanças” afirmou Pugliese.

 

Com clientes que variam desde o ramo de alimentos e  bebidas, como Red Bull e Extra Hipermercados, até grandes marcas como Rock in Rio, Pugliese afirmou também que o diagnóstico da comunicação do cliente é fundamental antes da ação. Ele acrescentou ainda que a Approach produz também storytelling. “A gente disseca a empresa para saber as melhores histórias dela e ninguém faz melhor isso que jornalistas.”

 

Gilberto Scofield aproveitou para mostrar aos alunos ali presentes o tipo de público que eles terão que lidar mais para frente: as gerações Z e Y. Ele entrou nesse assunto para provar como a população, não só do Brasil, mas do mundo todo está cada vez mais conectada e por dentro das redes sociais. “Rede social, hoje, já é a principal fonte de informação das pessoas, inclusive de jornalistas”, comentou o diretor da Máquina Cohn & Wolfe. E é dessa maneira que as marcas, atualmente, criam uma ponte de comunicação com o seus consumidores.

 

Os jornalistas também comentaram sobre o perfil dos novos profissionais de comunicação. Para Scofield, o jornalista, além de precisar ter conhecimento sobre quase tudo, precisa ampliar sua visão de empreendedor, uma vez que, hoje em dia, os jornalistas deixam de ser somente jornalistas e se tornam comunicadores. Fora isso, para Scofield, é necessário que o jornalista conheça seu público e saiba dialogar com ele.

 

 

Para Pugliese, o jornalista de hoje precisa ter habilidades específicas para encontrar uma vaga no mercado profissional. “Não analiso currículo por idade e nem por faculdade. O cara precisa ser bom. Eu já contratei um jornalista que saltava de asa delta e falava inglês. E era exatamente isso que eu precisava no momento, porque nosso cliente era a Red Bull” afirmou o sócio da Approach.

 

 

 

 

 

 

 

Sérgio Pugliese e GIlberto Scofield falando sobre os novos aspectos
Gilberto Scofield Jr. e  Sérgio Pugliese contam sobre as novas oportunidades das assessorias/ Foto: Beatriz Bastos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *