Professores sugerem criatividade como solução para desenvolvimento econômico

A terceira edição do evento Ciclo Brasil Múltiplas Identidades no Rio de Janeiro, promovido pela ESPM, aconteceu na última terça-feira (04) no Centro Cultural da Light, localizado no Centro da cidade. O tema principal das palestras foi a criatividade, tratada em diferentes enfoques. Na primeira parte, foram abordadas as transformações e inovações do mercado criativo nas mídias tradicionais, como o rádio, além da prática do design e da economia criativa como solução para a crise econômica atual.

 

Palestrantes e mediador do primeiro painel do evento, chamado Brasil Criatividades
Palestrantes e mediador do primeiro painel do evento, chamado Brasil Criatividades | Foto: Bernardo Galvão

 

O rádio foi retratado como uma mídia de economia inovadora na palestra de Fernando Morgado, baseada em sua pesquisa que está sendo realizada no curso de mestrado de Gestão de Economia Criativa da ESPM Rio. Existem questões atuais em torno do assunto, como a disputa por espaço e atenção, além da perda de profissionais qualificados para outras mídias. Além disso, em grande parte dos veículos, faltam estratégias de aproximação com os ouvintes, como faz a Rádio Atlântida, considerada altamente relevante para o público jovem do sul do país por conta do festival Planeta Atlântida. Segundo Fernando, o grande desafio do rádio atualmente é de se adequar ao mercado de comunicação de hoje, marcado pela facilidade e rapidez de informações. “O rádio está em todo lugar, na rua, em casa, nos estádios e nos elevadores. É uma mídia que se encaixa no cotidiano das pessoas, e é preciso saber usar isso”, afirma ele, que busca fortalecer a relevância dessa mídia tradicional nas salas de aula e no dia-a-dia das pessoas.

 

Palestra sobre a prática do design na economia criativa com a professora Bia Russo, da ESPM Rio
Palestra sobre a prática do design na economia criativa com a professora Bia Russo, da ESPM Rio | Foto: Bernardo Falcão

O objeto de estudo da professora da ESPM Rio Bia Russo foi o design como prática libertária. Segundo ela, há quatro fatores que destroem a criatividade, sendo o primeiro deles o sistema educacional, por moldar a forma de pensar. O segundo deles é a economia, por segregar os indivíduos. O terceiro são as empresas, por separar as pessoas por áreas e promover a falta de diálogo. A última é a indústria, por focar apenas na reprodução. Bia diz também que a habilidade para encontrar soluções e para resolver problemas está prejudicada. Para isso, diversos movimentos, como a desescolarização, que consiste em tirar os filhos das escolas, e o design thinking, que consiste em reaprender a ser criativo, surgiram.

 

 

 

O professor da ESPM Sul Fábio Pesavento trouxe possibilidades de sair da crise brasileira através de investimentos no meio criativo. Para comprovar a existência dessa crise, Fábio trouxe dados e gráficos comparando o Produto Interno Bruto (PIB) e os gastos em consumos no Brasil de diversos anos. Segundo ele, o primeiro passo para voltar a consumir é reduzir o desemprego. Já a saída da crise se daria, segundo ele, pelo investimento na indústria por meio dos subsídios para consumo e para pequenas empresas.  Fábio diz que seria necessário fazer uma reforma estrutural nas áreas tributária, previdenciária e trabalhista, porém essa reforma não aconteceu.

Fábio Pesavento, ESPM Sul, em sua palestra sobre economia criativa e soluções para a crise econômica atual
Fábio Pesavento, da ESPM Sul, em sua palestra sobre economia criativa e soluções para a crise econômica atual | Foto: Bernardo Falcão

 

Confira no link a reportagem em vídeo completa da cobetura: https://www.youtube.com/watch?v=RUCs9CHP5Os

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *